Follow by Email

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Percentagem: verbo no singular ou no plural?





Hoje me perguntaram o seguinte:  


“1% dos alunos frequenta o teatro”

ou

“1% dos alunos frequentam o teatro”?

Na verdade ambas as sentenças estão corretas porque quando o sujeito é a união de um número percentual seguido de substantivo (Um por cento dos alunos) o verbo pode concordar com o número percentual (nesse caso: um por cento – singular) ou com o nome relacionado à percentagem (nesse caso: alunos).


Se tivermos uma frase ao contrário, ou seja, a percentagem é mais do que um e o substantivo é singular, o mesmo acontece: tanto faz o verbo no singular ou plural. Veja o exemplo:

56% do país votaram em Dilma Rousseff. (O verbo concorda com o número percentual-56%-plural).

56% do país votou em Dilma Rousseff. (O verbo concorda com o substantivo-país-singular).


Claro que se tivermos 56% dos eleitores o verbo ficará na forma plural -votaram, pois tanto o número percentual quanto o substantivo estão na forma plural.


Agora, para confundir um pouquinho, porque quando se trata de linguagem nem tudo são flores..:-)...Se a percentagem vem com um artigo (o, a, os, as), o verbo tem que concordar com o número. Veja o exemplo:


Os 10% da verba serão encaminhados à educação.  

Volte aos exemplos anteriores, eu não usei artigo antes dos números, por isso podiam variar.


7 comentários:

  1. Adoro estas tuas dicas...a gente vai memorizando devagar. Coloquei este teu post no twitter...bjsss

    ResponderExcluir
  2. Nos casos em que as percentagens vêm com números decimais a regra permanece a mesma do singular?

    ResponderExcluir
  3. Em Portugal, quando o substantivo está no singular (como na frase 56% do país votou em Dilma Rousseff), o verbo tem que concordar com o substantivo preposicionado, ou seja, nesse caso só admitiria a forma na terceira pessoa do singular.

    P.S. frase de mau gosto, pois 56% dos brasileiros nunca votaram em Dilma, mas sim 56% dos votos válidos apenas no segundo turno, numa eleição onde houve quase 35% de abstenções e votos nulos. Lembrando que, no primeiro turno, a maioria absoluta dos brasileiros não votou em Dilma. Sendo assim, ela nunca foi a primeira opção da preferência nacional (nem Lula nas duas eleições anteriores). Diferente de FHC, que ganhou ambas eleições no primeiro turno.

    ResponderExcluir
  4. Como fica no caso: A "x" empresa é uma das poucas empresas 100% nacional? (ou seria nacionais?)

    ResponderExcluir