Follow by Email

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Figuras de linguagem: parte I



O que são figuras de linguagem?

Muitas vezes entendemos o que um autor quer dizer sem nos dar conta que ele está usando uma figura de linguagem. Por exemplo, quando o autor diz: A lua sorriu para mim. Você sabia que essa frase contém uma figura de linguagem? Para ser mais exata uma “prosopopeia”. O que é uma prosopopeia? São características humanas dadas a um objeto: A lua sorriu – sorrir é uma característica de seres humanos. A lua não sorri, mas na literatura ela pode sorrir sim para mostrar o bem estar da personagem que proferiu essa frase.

Outras vezes a leitura de uma narrativa torna-se difícil porque não conhecemos as figuras de linguagem presentes na obra, causando-nos estranhamento. Que tal conhecê-las, então?

Abaixo descreverei algumas com alguns exemplos:

  •   Metáfora

Quando fazemos uma comparação implícita, sem o uso da palavra “como”, e quando transferimos o sentido de um termo para outro, fazemos uso da metáfora.

Exemplos:

Sou de ferro.

Isso não significa que sou literalmente de ferro, mas sou forte como um. É uma metáfora.

Esta frase de Fernando Pessoa:

Meu coração é um balde despejado”.

O que o autor quer dizer? Que seu coração é como se fosse um balde despejado, mas não é um. Está fazendo uma comparação para dar mais força em seu texto.

  •  Metonímia


Quando dizemos frases como A presença do assunto “alienação” em Franz Kafka é muito forte, referimo-nos à obra de Kafka e não a pessoa em si. A metonímia, portanto, substitui um termo por outro. Em frases como: O homem pisou na lua, há, também, o uso da metonímia. Na verdade, o que queremos dizer é “Os astronautas pisaram na lua” – seria como uma generalização.

·               Perífrase

Quando usamos uma expressão ao invés do nome real. Ao trocarmos o nome de uma pessoa por uma característica marcante dela, estamos fazendo uso da perífrase.

Por exemplo:

Há problemas sérios com o país do futebol. 

Qual é o país do futebol? O Brasil, todos sabem disso, é famoso por isso, assim como o país do carnaval – parece até um apelido.

O bruxo do Cosme Velho foi um dos maiores autores do realismo brasileiro. 

De quem estou falando? De Machado de Assis, ele era chamado assim "o bruxo do Cosme Velho".

O Cisne negro compôs belos poemas simbolistas. 

Estamos falando de Cruz e Souza, grande poeta brasileiro nascido em Florianópolis.

    Catacrese

Sabe aquelas expressões que usamos no dia a dia, tais quais: pé da mesa, dente de alho, céu da boca, cabeça de alfinete, etc.? São expressões que um dia foram metáforas, mas que perderam esse caráter e já fazem parte da linguagem denotativa, e não mais conotativa. Portanto, catacrese são figuras que deixaram de ser metáforas. 


Nas próximas postagens, continuarei a falar desse assunto, pois há várias figuras de linguagem e guardar todas elas não é tarefa fácil. Doses homeopáticas, então. 

Até a próxima! :-)







Nenhum comentário:

Postar um comentário