Follow by Email

domingo, 31 de julho de 2011

Funções do Se: parte 2




Além da função de pronome reflexivo e de partícula integrante do verbo, como vimos na postagem anterior – Funções do Se: parte 1, o “Se” também faz papel de partícula apassivadora e de partícula de realce, chamada, também, de partícula expletiva.

Partícula apassivadora
Serve para indicar que a frase está na voz passiva sintética. O que é voz passiva sintética?

Só para relembrar:

Vozes do verbo

Voz ativa: o sujeito faz a ação:
  •  Martha digitou todo o trabalho em apenas trinta minutos.

Sujeito: Martha

Voz passiva: Quem comete a ação agora é o agente da passiva:
  • Todo o trabalho foi digitado por Martha em apenas trinta minutos.

Sujeito: Todo o trabalho
Agente da passiva: por Martha.

A voz passiva divide-se em dois tipos: 

Voz passiva analítica e voz passiva sintética.

Voz passiva analítica: Algo é feito por alguém.
  • A prova do concurso está sendo preparada.
  • A estatística foi feita pelo IBGE.
  • A prova foi bem elaborada.

Voz passiva sintética: Faz-se algo
  • Cortam-se cabelos.
  • Falavam-se bobagens.
  • Finalizaram-se as provas.
  • Alugam-se casas.

Perceba que essas frases podem ser transformadas em voz passiva analítica (apenas frases com verbos transitivos diretos - aqueles que não vem acompanhados de preposição):
  • Cabelos são cortados
  • Bobagens são faladas
  • As provas foram finalizadas.
  • Casas são alugadas.

Voltando ao assunto partícula apassivadora: o elemento “se” nas sentenças passivas sintéticas é chamado de partícula apassivadora. 



Partícula de realce ou expletiva

Como já dito, é usada para dar maior ênfase ao que se quer dizer. Acompanha verbos  intransitivos, ou seja, aqueles que não necessitam de complemento.
  • Murcham-se as flores. 

O verbo murchar, não necessita de pronome e é intransitivo (Flores murcham).
O “se” nesse caso é usado apenas para realce.

Outro exemplo:
  • O vento se foi tão rápido quanto veio. 



 Na próxima postagem sobre esse assunto falarei de: “se” como índice de indeterminação do sujeito e “se” como sujeito acusativo. Até lá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário